Consertar ou trocar de carro: uma “escolha de Sofia”

1/6/2021 –

Muitos fatores estão envolvidos na compra ou venda de um automóvel. Assim, o proprietário precisa estar ciente das possibilidades na questão antes de decidir.

A ação de trocar de carro, em geral, pode ser benéfica. No entanto, ao longo do tempo, cria-se um apego ao veículo da garagem por conta das memórias construídas. Desse modo, é interessante que o proprietário leve em consideração todos pontos e escolha se vai reparar o automóvel ou investir em um novo.

Manutenção é um item essencial, mas, quando o carro começa a demandar mais custos do que o normal, surge a dúvida sobre ser o momento de trocar ou continuar investindo nos reparos. O dono do veículo é a melhor pessoa para responder a essa questão, já que é uma decisão que envolve muitas variáveis – desde conhecimento específico do histórico do carro até valores sentimentais.

Se optar por consertar, é importante calcular o quanto se vai desembolsar com isso. É interessante verificar o valor do carro no mercado. Especialistas apontam que se o reparo foi superior a 30% do valor, num primeiro momento, o conserto pode não ser a melhor alternativa. Em geral, recomenda-se o conserto quando é algo pequeno, rápido e de fácil solução para quem é mais conservador e não quer arcar com os custos da troca pelo novo, sem contar as mudanças que podem vir como o consumo de combustível e valor do seguro.

Além disso, se o carro estiver em bom estado, for econômico em termos de abastecimento e não há nenhuma urgência financeira, pode ser que investir nos reparos seja mais adequado, já que a longo prazo esse valor é absorvido e o veículo tende a se desvalorizar menos.

O proprietário pode perder um pouco de valor em relação à tabela FIPE na venda do seu usado, mas comprar um carro recente pode ser levado em consideração. O fato do automóvel novo, que, em geral, é acompanhado de garantias de fábrica (mesmo os seminovos), a tecnologia é mais avançada, os itens de segurança estão mais adaptados, bem como a confiança e economia de tempo e dinheiro, com possíveis reparos, é um fator que pesa na decisão em favor da troca.

Reparar ou trocar é uma decisão que demanda tempo e pesquisa. Apesar da escolha, recomenda-se fazer uma avaliação sobre estado do automóvel com profissionais.

*Por Diego Fischer, CEO da Carupi.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *