Tecnologia se torna aliada contra roubo de cargas

São Paulo 21/5/2021 –

Combinados, dispositivos de segurança como rastreadores e biometria facial conseguem reduzir ação de criminosos

Em um país como o Brasil, onde o índice de roubo de cargas é altíssimo, dispositivos de segurança como rastreadores, bloqueadores e até mesmo sistemas de biometria facial são obrigatórios. Levantamento feito pela Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC&Logística), divulgado no dia 4 de maio, mostra que, em 2020, o Brasil registrou 14.159 ocorrências de roubos de cargas. O número representa queda de 23% em relação ao ano anterior, quando foram registrados 18.382 casos. No entanto, o cenário ainda é preocupante, pois esta queda pode estar relacionada à redução da atividade econômica em função da pandemia que diminuiu a circulação de veículos, inclusive caminhões. Os prejuízos computados ao setor somam R$ 1,2 bilhão.

Na tentativa de evitar esse problema, empresas de transporte e logística, além de manterem seus contratos de seguro em dia, instalam os já conhecidos rastreadores que possibilitam o acompanhamento do trajeto e também o bloqueio do sistema de ignição. “É um sistema muito útil porque permite comunicar a polícia quando há uma mudança de trajeto que não faz sentido. E mesmo que não dê para evitar o roubo da carga, o mecanismo ajuda a encontrar o veículo mais rapidamente. É um item que deveria ser instalado em todos os veículos, principalmente pelos caminhoneiros autônomos que têm poucos recursos”, afirma Hovani Argeri, diretor geral de Operação da Via Trucks, concessionária DAF com unidades em Contagem (MG), Guarulhos (SP) e São Bernardo do Campo (SP).

Mas há um tipo de roubo de carga muito comum e que os rastreadores, por mais eficientes que sejam, não conseguem evitar. É o roubo feito por dublês, estelionatários que se passam por motoristas autônomos com o uso de documentos falsos. Uma vez aprovado para conduzir o caminhão com a carga, mesmo havendo dispositivos de segurança, nada pode ser feito, pois o criminoso, sem se desviar do caminho ou levantar qualquer suspeita, pode parar em qualquer lugar e colocar a carga em outro veículo, gerando um prejuízo enorme.

Entre os segmentos mais afetados por essa modalidade de crime está o agronegócio. Dentro desse cenário, as empresas têm buscado outras soluções como o sistema de biometria facial disponibilizado pela CredDefense, plataforma que através de sua rede neural opera simultaneamente três dos maiores motores de biometria mundial.

Nas empresas onde já foi instalada, a tecnologia tem se mostrado muito eficaz porque com ela é possível saber se as informações passadas são verdadeiras. “É possível fazer biometria em locais remotos, mesmo não tendo contato presencial entre empresa e motorista. Todo o processo é rastreável e logado. Não por acaso, o número de consultas sobre essa aplicação da biometria facial aumenta mês a mês”, afirma José Luis Volpini, CEO da CredDefense.

Segundo Volpini, o custo de implantação é relativamente baixo porque a solução da CredDefense opera pelo smartphone do cliente, sem necessidade de instalação de nenhum aplicativo. “O motorista recebe um SMS ou mensagem via WhatsApp e por meio de etapas customizadas pode fazer a captura de biometria e checagem de diversos documentos”, explica.

Se o uso da biometria facial evita com precisão a ação de dublês e equipamentos como rastreadores permitem o acompanhamento em tempo real da carga, o ideal seria as empresas manterem uma combinação dos dois sistemas. “Deve-se observar não só o custo, mas os benefícios que essas tecnologias oferecem. O prejuízo causado pelo roubo da carga e do veículo é imensamente superior ao que se gasta com a instalação desses dispositivos de segurança”, concluiu o executivo da Via Trucks, Hovani Argeri.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *