Como internar um dependente químico

Nos últimos anos, o uso  indiscriminado de drogas assumiu dimensões assustadoras, 

se tornando um grave problema social e de saúde pública. Isso porque, o uso de drogas causa uma transformação comportamental e física, mudando o funcionamento do sistema nervoso central e gerando alterações de percepção, humor e consciência. Diante disso, o indivíduo que faz uso de substâncias psicoativas perde a capacidade de controlar a si mesmo, se entregando às drogas, que passam a controlá-lo. Neste artigo mostraremos Como internar um dependente químico, acompanhe

 

Um dependente químico, além de ter sua saúde física e mental prejudicada, há outros impactos que precisam ser levados em consideração, impactos esses sociais e econômicos, as relações sociais e familiares ficam demasiadamente prejudicadas. O que contribui para que esse cenário fique ainda pior, é a falta de políticas públicas eficazes por parte do governo vigente, e também o fator cultural, onde existe uma sociedade indiferente e permissiva quando o assunto é abuso de drogas.

 

Como internar um dependente químico

Mas o que leva uma pessoa a fazer uso de substâncias ilícitas? Não é muito difícil reparar, que diante do contexto no qual vivemos, com jornadas de trabalho excessivas, pressão estética e econômica, problemas familiares e afetivos, guerras políticas, culturais e religiosas, enfim uma variedade de problemas e questões sociais, acredito que metade da população está adoentada, muitos veem a droga como uma fuga de todo esse caos presente em nossa sociedade e principalmente dentro de nós mesmos. 

 

Com o advento da pandemia, aumentou-se significativamente o uso dessas substâncias, como também aumentou o número de pessoas com transtornos mentais, como ansiedade e depressão, que também são fatores que levam um indivíduo a usar drogas. 

 

De acordo com o site IMIP – Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira “Os dados do Brasil mostram aumento nos consumos de 17.2% de maconha; 7.4% de cocaína e 12.7% de benzodiazepínicos (ex. Diazepam, clonazepam, alprazolam). Com relação ao consumo de álcool, o aumento foi de 13,1%, um pouco abaixo da média mundial de 13,5%.” 

Todos os dependentes químicos precisam de internação? 

É muito importante citar que nem todos os dependentes químicos precisam recorrer a internação, alguns realizam tratamento ambulatorial, e conseguem melhorar. Todavia, há uma parcela da população que infelizmente precisa passar por esse processo, visto que são totalmente consumidos pela droga, não conseguindo se desvincular com um tratamento mais simples, nesse caso, a internação do dependente químico se faz necessária, para assegurar sua própria segurança e de seus familiares. 

 

Todos concordam que seria extremamente mais fácil, se o dependente químico procurasse tratamento por conta própria. Porém, infelizmente não é essa a realidade para muitos dos usuários de drogas, o que ocorre é que, por estarem com suas emoções afetadas, eles não possuem a consciência de que estão adoecidos e precisam buscar ajuda. Diante disso, nesse contexto a ajuda da família é de extrema importância, para aconselhar e intervir na vida do indivíduo. 

 

A partir do momento em que brigas e desavenças familiares começam a aparecer, fique alerta, para uma possível internação. Alguns dependentes aceitam o tratamento, outros já não lidam bem com isso, e optam muitas vezes por sair do convívio familiar, se afastando, para evitar futuras brigas. Mostraremos as duas principais formas de como internar um dependente químico sem causar problemas maiores. 

Internação voluntária 

A internação voluntária, é aquela onde o indivíduo é internado por livre e espontânea vontade, onde a família tem o seu consentimento, estabelecendo um acordo entre ambos, assim o dependente deve se responsabilizar e assinar uma declaração/termo de que é de sua vontade ser internado em uma clínica de tratamento para dependência química.

 

Como já havíamos mencionado, esse tipo de internação geralmente é muito pouco utilizada, já que a maioria dos usuários não aceitam se tratar, mas se esse for o seu caso, ou o caso de um familiar seu, esta decisão geralmente é tomada junto com a família, ou também através de um acompanhamento médico que o usuário já faz. Diante disso, tomada essa decisão basta procurar por uma clínica de reabilitação mais apropriada para o caso, pois existem diversas clínicas para diferentes tipos de vícios, como é o caso do Núcleo Viver Sóbrio, que te ajuda a achar a clínica correta de acordo com suas necessidades. 

 

Internação Involuntária

Para muitas famílias, essa é a única opção plausível, para devolver o bem-estar e a vida do seu familiar. O pedido de internação involuntária costuma ser concedido àqueles que colocam sua própria vida e de outros em risco.

 

Para realizar essa ação, de forma involuntária, internando o dependente químico de forma compulsória, o responsável legal pelo paciente, ou familiar, ou ainda na falta desses dois um profissional de saúde ou de assistência social, podem também fazer o pedido, e deverá procurar por assistência judiciária. Assim, para fazer a internação, o médico psiquiatra precisará formalizar seu pedido, indicando o tipo de vício e outras informações pertinentes ao caso, como tempo de uso etc, através de um laudo médico, e provar que todas as outras formas de tratamento não tiveram efeito positivo.  Esse tipo de internação está garantida na Lei Federal de Psiquiatria nº 10.216/2001. 

 

Se você fica com dúvidas sobre esse tipo, basta procurar por uma unidade de saúde, ou posto de assistência social, ou ainda pode nos contar, nós do Núcleo Viver Sóbrio, estamos dispostos a sempre ajudar nessa fase difícil. 

 

Você conhece alguém que está nesse contexto, e quer ajudá-lo a parar com o consumo de substâncias químicas? Saiba como internar um dependente químico. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *